Não há dúvida que a melhor fase para se aprender inglês é a infância, pois o cérebro da criança ainda está em desenvolvimento e consegue assimilar o conhecimento de forma mais rápida. Além disso, os pequenos têm mais facilidade para absorver a pronúncia, ao repetir o que ouvem. Sendo assim, o processo de aprendizagem ocorre naturalmente e não existe o risco, como alguns pais ainda imaginam, dos filhos confundirem o ensino da língua materna. Vale destacar que aprender inglês desde cedo contribui para que a criança desenvolva maior capacidade de transitar entre tarefas, mantendo o foco e melhorando o desempenho na resolução de problemas. Hoje em dia, existem muitos recursos que facilitam esse aprendizado e as escolas bilíngues têm papel fundamental por promoverem a imersão e o aprendizado integral do segundo idioma. Conheça 5 dicas para ajudar as crianças a aprender inglês 1 – Assistir desenhos em inglês Os desenhos animados fazem parte da rotina de muitas crianças e essa prática, além de proporcionar entretenimento, também pode ser educativa. Dessa forma, elas aproveitam o momento ouvindo música e diálogos básicos em inglês repetindo algumas palavras, o que pode contribuir para melhorar a compreensão. Assim, a criança também vai se acostumando com uma segunda língua sem parecer algo obrigatório. 2 – Incentivar a leitura Atualmente, as livrarias contam com uma diversidade de livros infantis em inglês e o hábito de ler em outro idioma traz inúmeros benefícios, como melhorar a escrita e ampliar o conhecimento. Mas é importante escolher livros que sejam adequados para a idade e o nível de compreensão da criança. Conforme o tempo passa, pode-se aumentar o grau de dificuldade, oferecendo livros com mais texto. 3 – Colar etiquetas pela casa e fazer um varal de palavras Essa é uma estratégia simples e muito eficiente que pode ajudar na absorção do novo idioma no dia a dia. A ideia é espalhar pela casa etiquetas coloridas ou post-its com o nome do objeto correspondente, como, por exemplo, na mesa, “table”, no copo, “glass”, no espelho, “mirror” e assim por diante. Outra dica é fazer um varal de palavras para ficar na porta ou na parede do quarto e substituí-las ao longo do tempo, sempre respeitando o nível de compreensão da criança. 4 – Fazer brincadeiras Um dos aspectos fundamentais na aprendizagem infantil é o fator lúdico, que contribui para a melhor assimilação do conteúdo apresentado. Assim, as brincadeiras que estimulam o contato com o inglês também têm papel importante no ensino. Existem várias opções, como a amarelinha, para treinar os números, massinha colorida, para memorizar as cores, entre outras.   5 – Interagir com o uso de palavras do cotidiano Para ajudar na prática do inglês, vale também conversar com a criança sobre o que ela está aprendendo na escola. Esse tipo de contato é parte importante do processo de aprendizagem e ao interagir com a criança – falando sobre animais, frutas, roupas, por exemplo – os pais ajudam na assimilação do segundo idioma Essas dicas ajudam a criança aprender inglês, pois estimulam a exposição à segunda língua de forma mais natural. Músicas ou aplicativos de jogos de idiomas também são educativos e a tecnologia pode ser uma ferramenta para auxiliar no acesso online a diversos idiomas e ao mundo inteiro. Por isso, escolher uma escola que realmente trabalhe com duas línguas ao mesmo tempo traz benefícios para a criança que vão bem além do conteúdo acadêmico. A SEE-SAW é uma das escolas bilíngues pioneiras e segue inovadora há 27 anos. Sua metodologia permite que a criança tenha um contato imersivo com o inglês desde a Educação Infantil, atendendo as suas necessidades únicas e tornando-a capaz de desenvolver atividades em dois idiomas. Saiba mais sobre a SEE-SAW acessando o nosso site. ...

Aprender inglês desde a infância é um dos melhores investimentos que se pode fazer para um filho. Começando cedo, o aprendizado acontecerá de forma muito mais natural e tranquila além de trazer a vantagem de chegar à vida adulta já com o domínio do idioma. Mas, na hora de escolher o colégio bilíngue, muitos pais ainda têm dúvidas e questionam qual seria, de fato, o melhor para a criança diante de uma variedade de opções e metodologias disponíveis nesse mercado. Por isso, vale a pena pesquisar bastante antes, ouvir a opinião de outros pais e, principalmente, decidir pelo colégio bilíngue que esteja mais alinhado com os seus objetivos em relação à educação que você deseja para o seu filho. Há, por exemplo, escolas que trabalham com foco no desenvolvimento pessoal da criança, aquelas que oferecem diferentes cursos extracurriculares, outras que são mais multiculturais etc. Tudo vai depender do que você procura e espera da instituição. Confira a seguir mais 4 dicas que podem ajudar nesta escolha: 1 – Conheça a infraestrutura da escola Visite o colégio bilíngue e avalie se ele tem tudo que você busca, como por exemplo, quadras poliesportivas, laboratórios, ar-condicionado, brinquedos, redes de segurança, biblioteca, espaços ao ar livre, tamanho das salas de tamanho adequado, acessibilidade, entre outros. Além disso, veja se a localização da escola é próxima de sua casa ou trabalho, porque a distância também pode interferir no ritmo de locomoção do dia a dia. 2 – Verifique a grade curricular e a carga horária É importante verificar como o ensino da segunda língua é aplicado na grade curricular da escola, bem como a sua carga horária – o tempo em que o aluno ficará exposto ao idioma. Isso é fundamental para desenvolver a fluência ao longo do tempo. Veja se a criança terá o contato diário com o inglês, por exemplo, estimulando o aprendizado de uma forma contínua, lúdica e didática. 3 – Conheça a metodologia de ensino Esse é outro item essencial que precisa ser avaliado, pois, em um colégio bilíngue, o aluno precisa ser conduzido por uma metodologia de ensino que proporcione {uma vivência com a imersão no segundo idioma. Dessa forma, ele será estimulado a desenvolver o aprendizado da língua por meio de experiências e atividades adequadas à sua idade, desenvolvendo ainda mais a parte cognitiva. Por isso, questione o programa de ensino da escola e como ele é aplicado, além dos recursos que serão utilizados. Na SEE-SAW, a metodologia utilizada permite que cada criança tenha suas necessidades pessoais atendidas, tornando-a capaz de desenvolver atividades em dois idiomas já nos primeiros anos da vida escolar. 4 – Tenha garantia da formação dos professores Os professores estarão o tempo todo com o aluno e são os principais responsáveis pelo seu aprendizado. Diante disso, é fundamental que, sendo uma escola bilíngue, eles sejam fluentes na segunda língua para que a comunicação aconteça naturalmente. Vale destacar, ainda, a importância de uma experiência cultural consolidada para que isso seja transmitido em sala aula. Verifique também se o colégio oferece aos professores a oportunidade e o incentivo para atualização contínua. Ao seguir essas dicas você terá uma ideia dos principais pontos a serem considerados na hora de escolher um colégio bilíngue para o seu filho. A SEE-SAW é um exemplo de escola inovadora no ensino bilíngue no Brasil e oferece estrutura completa, professores qualificados e metodologia de ensino eficiente, trazendo resultado ao longo de todo o processo.   Quer conhecer mais sobre a SEE-SAW? Conheça nosso site. ...

Os alunos do 9º ano da See-Saw participaram de um projeto de estudos culturais sobre a América Latina. Na atividade, os estudantes aprofundaram seus conhecimentos sobre os países vizinhos e analisaram o papel do imigrante latino na Indústria da Moda. Confira abaixo o depoimento do professor Leonardo Costa sobre a atividade desenvolvida.na disciplina Social Studies. “Através da pesquisa dos itinerários migratórios atuais de nossos vizinhos latinos, os alunos do 9º ano refletiram sobre a condição social encontrada em nosso país, bem como o papel da indústria da moda e da legislação nacional ao que diz respeito à problemática da escravidão moderna. - Shop Ethically foi o tema desenvolvido na recomposição e reciclagem de peças de vestuário inspirados em cores, formas e símbolos de países como Peru, Bolívia, Venezuela e Chile.” Professor Leonardo CostaSocial Studies - 9º Ano Sobre o professor:Leonardo Costa é professor do currículo internacional da See-Saw Panamby Bilingual School, em São Paulo, onde leciona 7º e 9º anos. Formado pela University of Wolverhampton da Inglaterra, une conhecimentos de Design Thinking e Mindfulness para o fomento de posturas criativas e construtivas no desenvolvimento de seus alunos. Exemplo peça reciclada pelos alunos do 9º ano. Exemplo peça reciclada pelos alunos do 9º ano. ...

A SEE-SAW, em parceria com a Quitanda Escolas, oferece aos alunos e aos colaboradores uma alimentação natural e orgânica no restaurante da escola. No almoço, são servidos alimentos orgânicos, frescos e pratos vegetarianos todos os dias. Na lanchonete, há opções nutritivas e saudáveis, como: lanches, tortas e frutas – todos produzidos e embalados pela própria Quitanda.   A Quitanda Escolas conta com um time de qualidade rigoroso na implementação de processos, garantindo a segurança dos alimentos em todas as fases da operação. A empresa está sempre atenta à qualificação dos fornecedores e à aprovação técnica e sensorial de 100% dos ingredientes usados nas preparações, além de oferecer treinamento de equipe e acompanhamento por meio de auditorias periódicas.  Essa parceria traz para a SEE-SAW nutricionistas preparados para proporcionar aos alunos e aos colaboradores uma diversidade alimentar, incluindo pratos de dietas com restrições alimentares, garantindo que todos recebam os nutrientes necessários. A Quitanda Escolas também proporciona o desenvolvimento de programas específicos aos estudantes, como: oficinas de sustentabilidade, de hortas urbanas ou de culinária, visitas à fazenda etc.   Desta maneira, a SEE-SAW oferece alimentação de qualidade e, junto com a Quitanda Escolas, proporciona uma variedade de alimentos e de pratos mais leves, naturais e saudáveis.  Compromissos com a alimentação natural e a sustentabilidade  A Quitanda Escolas soma 14 anos de atuação e, ao longo desse período, vem realizando uma série de iniciativas ligadas à sustentabilidade e ao bem-estar coletivo. Portanto, a parceria com as escolas tem o objetivo de incentivar o engajamento de todos. Algumas destas ações são as reciclagens de 100% dos resíduos não orgânicos, geração de programas de conscientização e engajamento, plantação de árvores, organização frequente de doação de alimentos e agasalhos, entre outros.   Assim, para o programa de alimentação natural da SEE-SAW, a Quitanda Escolas adota algumas premissas importantes:   • Priorização, sempre que possível, de alimentos orgânicos;  • Programas de conscientização sobre o desperdício de alimentos;  • Coleta seletiva de lixo orgânico e não orgânico;  • Descarte correto do óleo de cozinha;  • Não utilização de copos e talheres descartáveis nos restaurantes.  ...

Há 7 anos sou parte de uma história que começou em 1994, pelas mãos da Ciça e do Renato. Os conheci através de um amigo em comum e pude partilhar, não só da amizade, mas também do carinho e orgulho com que falavam da SEE-SAW.  Em 2014 recebo o convite para acompanhar os ajustes finais da implantação do ensino médio – que teria início no ano seguinte – e posteriormente para a direção geral e sociedade na escola.  Apoio irrestrito da Rita, minha esposa, da Mariana e Tiago, meus filhos, a experiência como professor, coordenador pedagógico e orientador educacional, em 3 outras grandes escolas de São Paulo, me permitiram aceitar o novo desafio.  Passo então a conviver profissionalmente com a Ciça, com o Renato e com a equipe que haviam montado nos anos anteriores à minha chegada. Foi e tem sido um aprendizado fundamental.  Avanço até 2020 para mencionar dois meses importantes para mim e para a SEE-SAW: março e julho. Começo por julho porque talvez fique mais fácil avaliar como me senti em março.  A transição na gestão da escola estava planejada e não foi um movimento feito de uma hora para outra, foi sendo construído pela Ciça, Renato e por mim desde quando entendemos que era possível compartilhar experiências pensando sempre no melhor para a nossa escola e para todos que nela convivem. Em julho enviamos um comunicado para toda a equipe profissional e posteriormente para as famílias informando que os fundadores deixavam a sociedade e eu assumia a escola integralmente.  Volto a março. Eu sabia que o ano já seria diferente e instigante, mas não - peço desculpas pelo clichê - uma montanha russa.  Dizem que cargos de liderança costumam nos dar a sensação de solidão e muitas vezes isso é verdade, mas em um dos anos mais complicados para qualquer uma delas eu não me senti sozinho.  Eu estou na SEE-SAW.  Sou parte de uma equipe que se superou no apoio mútuo para enfrentar o impacto que a pandemia trouxe em nossas vidas pessoais e profissionais.  Ainda absorvendo tudo o que aconteceu, o que eu sei desse 2021, ano do 27º aniversário da nossa escola, é que ela seguirá firme sem jamais abandonar os princípios e valores que sempre praticou.  Em tempo: Enquanto termino esse texto, recebo fotos das nossas professoras mais jovens, da educação infantil e do ensino fundamental 1, mostrando os cartões de vacinação contra a Covid-19. Felizes e também, tenho certeza, orgulhosas pela profissão que escolheram.   Cesar Pazinatto  ...

Desde o início da história da humanidade, a cultura indígena esteve presente nas tradições dos mais diversos povos, que podem ser observadas até os dias de hoje. A influência é tamanha que, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), os povos indígenas abrangem cerca de 5% da população do planeta, trazendo consigo mais de 5 mil culturas diferentes e sendo responsável pela maioria dos 7 mil idiomas existentes.  Esses cocares fizeram parte do projeto de Artes do 5o ano da Professora de Artes Veridiana Moffa. Depois foram pendurados no pátio para quem quisesse interagir ou tirar fotos em frente a eles No entanto, 40% deles correm o risco de desaparecer, o que põe em risco as culturas e os sistemas de conhecimento aos quais pertencem.   Para impedir que isso aconteça, iniciativas em todo o mundo têm surgido nos últimos anos: em 2019, a própria ONU declarou o ano como “Ano Internacional das Línguas Indígenas”. O objetivo era chamar atenção sobre a necessidade de preservar as línguas indígenas e mostrar sua rica contribuição para a diversidade cultural e de conhecimento.  Contudo, não é necessário ir longe para encontrar exemplos aqui no Brasil. Um deles é a inserção dos elementos da cultura indígena no currículo escolar, mantendo os estudantes dos ensinos fundamental e médio constantemente em contato com as tradições do país. A obrigatoriedade dessa medida é garantida, inclusive, por uma lei sancionada no dia 10 de março de 2008.  A SEE-SAW acredita na importância da convivência das crianças e adolescentes com a diversidade cultural do nosso país, por isso, promove atividades pedagógicas que estimulam esse contato, abordando a questão do respeito étnico e a diversidade de costumes dos primeiros habitantes do Brasil.  Recentemente, alunos do 5º ano aprenderam a cultura indígena se divertindo e muito: liderados pela professora de Artes, Veridiana Moffa, eles produziram cocares que foram pendurados no pátio da escola para quem quisesse interagir ou tirar fotos. Os estudantes também tiveram a oportunidade de expor seu aprendizado por meio de desenhos sobre os povos indígenas.   Esse tipo de experiência resulta em um rico processo de aprendizagem para eles, proporcionando o contato com as tradições locais e, consequentemente, com o saber da história do seu país.  ...